24 janeiro 2013

Einstein Picasso Agatha e Chaplin


Autor: Regina Gonçalves
Ano: 2010
Editora: Viajante do Tempo
Páginas: 290
Nota: 3/5

Sinopse: Caio Zip, o jovem viajante do tempo, surge na Paris de 1905. O início do século XX é uma época fervilhante de idéias e realizações, e o Universo está para ser contemplado de forma jamais vista. Na véspera de lançar ao papel a célebre fórmula E = mc2, Einstein desapareceu por vários dias. Onde estava? Nesta ficção, Einstein descansava por alguns dias em Paris antes de ser iluminado por sua revolucionária Teoria da Relatividade. Ao mesmo tempo, Picasso começava a pincelar suas idéias de romper com a perspectiva convencional. Acompanhe as descrições de lugares interessantes na Paris da belle époque, enquanto Santos Dumont realiza experiências com balões dirigíveis e a primeira tentativa com o 14-Bis, e o memorável diálogo entre Caio, Einstein, Picasso, Agatha, o poeta André Salmon e a patrocinadora do novato Picasso, Getrude Stein, no atelier do pintor espanhol sobre como arte, literatura, ciência, viagem no tempo e mistério estão entrelaçados. Ambos buscam o mesmo conceito: a relação espaço-tempo. Finalmente, o encontro da arte com ciência se realiza por meio da imaginação sem limites. Caio embrenha-se no nascimento da teoria da relatividade e da arte cubista e ainda vai solucionar um misterioso assassinato com a ajuda dos adolescentes Agatha Christie, com sua mente investigativa, e Charlie Chaplin, que dá o toque mágico a essa surpreendente ficção.
Resenha: A leitura do livro flui e faz com que cada vez mais você tenha vontade de descobrir sobre o crime que ocorre no começo do livro, e você verá que Agatha é um gênio em descobrir crimes.
Terminei o livro com muita vontade de conhecer Chaplin e Agatha, eles foram os meus personagens preferidos da estória e no final do livro tive a chance de aprender bem mais sobre eles e os outros, pois no fim do livro contém a biografia e algumas curiosidades dos personagens principais.
O livro contém as páginas amareladas, nem grossas nem finas demais, a letra é em um tamanho ótimo e os capítulos não são tão longos.
Vale lembrar que o livro não é uma estória verdadeira, verdadeiro só são os personagens e algumas de suas ideias, o Caio Zip não é um personagem que realmente existiu ele é um personagem fictício. 
Um livro para quem tem sede de aprender cada vez mais sobre essas pessoas que marcaram a história da humanidade.