21 julho 2012

A Corrente da Vida


Autor: Walcyr Carrasco
Edição: 2
Editora: Moderna
Ano: 2003
Páginas: 112

Sinopse: Nossa sociedade tem doenças, algumas malignas e mortais.Mas a pior de todas, a mais cruel e injusta, chama-se preconceito. Raquel se aflige quando Nelson, seu melhor amigo, desaparece da escola. Procura encontra-lo, mas à sua volta descobre uma conspiração de silêncio que envolve toda a família e até os professores. Nelson está doente, o vírus da Aids já se manifestou. E, quando a notícia afinal corre entre os estudantes, a discriminação e o preconceito explodem na escola. No combate ao preconceito, Raquel se junta a Marcelo e Joca para garantir a Nelson o direito de continuar vivendo. 




Resenha:         Famoso por escrever novelas, esse foi o primeiro livro que li do autor, Walcyr Carrasco, é realmente um ótimo escritor, impossível não se comover com a estória do livro.
               O livro começa com uma menina preocupada com seu amigo, que está desaparecido a mais de quinze dias, então ela e Marcelo (amigo do garoto) resolvem procura-lo e saber o que estava acontecendo, eles ligam para a avó do menino e a avó diz que ele está gripado e está no hospital, mas diz não saber qual. Depois de alguns dias investigando os meninos descobrem que Nelson já estava em casa, porém sua mãe não queria receber visitas, os meninos não se importam e vão a casa do garoto mesmo assim. Chegando na casa de Nelson eles pedem para falar com ele e são impedidos, mas o menino escuta e manda que a mãe deixe eles entrarem, os meninos entram e descobrem que ele está com AIDS, Rachel fica muito abalada. 
                             No decorrer do livro serão mostrados os sintomas e os tratamentos da AIDS, também será mostrado o preconceito que os soros positivos sofrem. 
                              O livro termina de uma maneira emocionante, não vou dizer como termina, emocionei-me bastante com o livro, é uma verdadeira estória de amor surpreendente que ensina a vencer os preconceitos, a lutar pela pessoa amada e a não desperdiçar a oportunidade, depois pode ser tarde demais.